quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Daqui a um ano...

Daqui a um ano, vou acordar pela manhã pensando nas milhares de coisas que tenho ainda que resolver, confirmar, marcar, levar, buscar, fazer. Vou me lembrar do dia de hoje, em que pensava no futuro com esperança e no passado com uma saudade alegre. Na ansiedade que estava e como essa ansiedade se multiplicou por mil, tomando conta de todas as células do meu pobre sistema nervoso.

Daqui a um ano, vou atender vários telefonemas. Fornecedores verificando os últimos detalhes, amigos perguntando se eu estou nervosa e esquecidos pedindo pra explicar pela milésima vez como se faz pra chegar da Igreja até o salão.

Daqui a um ano, vou para o salão de beleza me preparar para encher os olhos azuis daquele homem que eu amo tanto e que só tem olhos pra mim. Com certeza eu vou esquecer de levar alguma coisa e vou ligar desesperada pra minha mãe pedindo socorro e, é claro, vou levar uma bronca daquelas.

Daqui a um ano, quando o carro chegar a Igreja, vou imaginar cada um dos meus amigos queridos, se estarão todos lá, se conseguiram chegar a tempo. Vou imaginar como minha mãe e minha irmã devem estar lindas me esperando lá no altar cheias daquele amor que só elas sabem dar. Vou encontrar meu pai na porta da Igreja e ele vai falar daquele jeito dele: “Cê tá bonitona, hein...” E aí eu vou perguntar: “Pops, o Henrique ta lá no altar mesmo né?” E o meu pai: “Ôôôô, o cabra parece que é corajoso mesmo...”

Daqui a um ano, quando tocar as primeiras notas da nossa música e a portas da Igreja se abrirem e os fotógrafos me encherem de flashes, minhas pernas vão bambear e as borboletas no estômago passaram por uma estranha metamorfose tornando-se terríveis King Kongs no estômago. Eu respirarei fundo, acho que não conseguirei lembrar de nenhum dos rostos que sorrirem para mim. Desculpem-me por isso, não é descaso, de forma alguma. Mas eu estarei muito concentrada naquele que me fez ter certeza de que eu queria entrar mesmo nesse carrossel de sensações que é o casamento.

Daqui a um ano, só haverá amor. Amor vindo de todas as partes. Amor escorrendo aos litros. Amor saindo pelos poros. Cheirar, ouvir, ver, degustar, tocar amor. Um amor que eu não sei de onde veio e nem pra onde vai. Só sei que existe e que deixa minha alma leve, leve.

Um comentário:

Ana Gabriela disse...

Awwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww!

Que lindo, Solzinha!!!!!!!!

Melhor post ever!!!

Beijao!